Iluminação

Da lâmpada elétrica de Thomas Edison às Luminárias de LED: o mundo moderno passa pela história da iluminação.

Um sistema de energia que move o mundo

No ano de 1879, no dia 21 de outubro, uma lâmpada composta por um filamento de algodão carbonizado dentro de um bulbo a vácuo brilhou por 45 horas seguidas, sob o olhar atento de Thomas Edison. Era um novo marco na história da humanidade: nascia a Era da Eletricidade.

É certo que muitos inventores já haviam construído lâmpadas antes dele, mas, a solução genial de Thomas Edison foi ter criado um conjunto de alimentação para as lâmpadas, no qual permitiu vendê-las em larga escala.

Entre soquetes, caixas de junção, fusíveis, geradores, motores e condutores subterrâneos, o inventor da lâmpada elétrica jamais imaginaria que o sistema de iluminação que ele criara transformaria para sempre a economia mundial.

Nem tudo o que reluz é ouro

O fervor da novidade das lâmpadas incandescentes predominou os anos seguintes, o que fez com que somente no ano de 1900, a demanda por lâmpadas elétricas nos Estados Unidos alcançasse o patamar de 45 milhões de unidades vendidas.

Mas, nem tudo o que reluz é ouro…para a produção de luz em uma lâmpada incandescente são necessários cerca de 3.000º graus. Da energia consumida, 80% é usada para gerar calor e apenas 20% converte-se em iluminação.

Devido a esse coeficiente, e com o aumento na demanda de energia elétrica ano após ano, as lâmpadas incandescentes começaram a se tornar grandes vilãs do consumo de energia.

Pouco a pouco, as lâmpadas de Thomas Edison foram sendo substituídas pelas lâmpadas fluorescentes, criadas por Nikola Tesla em 1938, e que geram uma produção de horas de energia muito maior do que a sua rival incandescente. As lâmpadas incandescentes resistem até 1.000 horas acesas e as fluorescentes até 10.000 horas.

Com um consumo de energia 5 vezes menor, se comparadas com as lâmpadas incandescentes, aqui no Brasil as lâmpadas fluorescentes se popularizaram somente após o Apagão de Energia que o país sofreu, em 01 de julho de 2001.

A revolução na tecnologia da luz

Em virtude das novidades incorporadas nos projetos luminotécnicos das construções industriais, corporativas e residenciais, mesmo economizando mais energia que as incandescentes, as lâmpadas fluorescentes começaram a perder força no mercado, uma vez que já não conseguiam atender às principais exigências de eficiência energética proferidas em programas governamentais de eficiência energética, como o PROCEL no Brasil, bem como, atingir as pontuações (créditos) necessários para obtenção da certificação LEED de construção sustentável, emitida pelo GBC (Green Building Council).

Foi quando as lâmpadas LED, disponíveis na Dimensional DW em diversas potências, formatos e tonalidades para atenderem a todos os projetos de iluminação feitos por engenheiros, arquitetos e eletricistas, começaram a ganhar força, uma vez que são capazes de converter 40% da energia em luz, possuem longa vida útil, não precisam de manutenção, tornando-se uma alternativa mais duradoura e mais eficientes.

A adequação dos ambientes de trabalho para uma iluminação apropriada

Iluminação bem iluminada, apesar de parecer redundante, é necessário para enfatizar que quando um funcionário tem em seu ambiente de trabalho um ambiente claro para executar sua tarefa fica explícito um maior rendimento das suas atividades e um ganho de produtividade.

E por ser tão sério e importante o assunto, é que existe uma Norma Brasileira que trata da Iluminação no Ambiente de Trabalho – ABNT NBR ISO/CIE 8995-1. A Dimensional DW oferece aos seus clientes um trabalho exclusivo de assessoria na adequação dos locais de trabalho à esta norma. Dentre os diversos itens abordados na norma, está o que trata da iluminância no entorno imediato que deve estar relacionada com a iluminância da área de tarefa, onde convém que proveja uma distribuição bem balanceada da luminância no campo de visão.

Iluminância da tarefa

lux

Iluminância do entorno imediato

lux

≥ 750 500
500 300
300 200
≤ 200 Mesma iluminância da área de tarefa

Neste caso, ajustar a iluminância com lâmpadas LED irá ajudar os funcionários a terem melhor qualidade em seu trabalho, e a empresa a ter economia de energia, uma vez que as lâmpadas LED são cada vez mais eficientes, no sentido de que exigem menos energia para emitir luz, se comparadas com as lâmpadas tradicionais ou as fluorescentes. Assim, as mais avançadas chegam a 300 lúmens (fluxos luminosos) por watt, contra os 16 das lâmpadas incandescentes e 70 das fluorescentes.

O acender das luzes 141 anos depois

Internet das Coisas, Indústria 4.0, Economia Circular, Energia Fotovoltaica, Energia Eólica, tudo isso se move ao redor da eletricidade, e a iluminação está diretamente correlacionada com esse novo momento que economia do século XXI está vivendo, 141 anos após o surgimento da lâmpada elétrica.

Dizer: “Alexa, acenda as luzes do quarto”, já não é mais uma realidade existente somente no desenho animado “Os Jetsons” de Hanna Barbera, produzido nos anos 60 do século passado. Sistemas de voz já comandam a iluminação de uma casa e trazem conforto e facilidade para o dia a dia.

E se sistemas de voz já controlam a iluminação dos lares, lâmpadas de LED também passam por transformações, e traçam uma nova tendência no rumo da iluminação: são as luminárias de LED. A Dimensional DW possui em seu portfólio uma gama completa de luminárias LED que contribuem para o acender das luzes serem energeticamente mais eficiente. #NaDimensionalTem – consulte nossa equipe técnica e entenda porque somos especialistas em soluções completas de iluminação.

E para os próximos 141 anos, esperamos que você já esteja vivendo um mundo de iluminação muito mais eficiente do que o atual.

Comentários